San Pedro de Atacama em 3 dias por Augusto Bento

San Pedro de Atacama em Três Dias

Descrevo nesse post minha experiência no Deserto do Atacama, que para mim foi uma sensação extrema.

Acompanhe o que rolou de bom e pegue as dicas para sua próxima aventura.

Esse é o deserto mais árido do mundo!

Primeiro Dia

Eu a e Fer saímos de Santiago as 7h da manhã num voo da SkyAirlines e duas horas depois já estávamos sobrevoando o deserto e se preparando para o pouso em Calama.

Pousamos no aeroporto de Calama no deserto do Atacama um pouco antes do meio dia. Já deu pra sentir a sensação térmica, que para mim estava até agradável, mas um tanto seca, afinal, estávamos com umidade relativa de apenas 10%.

 

Após pegar as bagagens fomos para o portão de saída e ali já fomos abordados por várias agências de transfer e taxistas com suas plaquinhas de identificação, algumas até com preços.

Decidimos passar direto por eles e verificar mais opções de transporte, afinal o dinheiro estava curto e eu já tinha lido em outros blogs que havia ônibus para o centro de Calama com preço mais acessível.

Após algumas pesquisas, todo o pessoal do nosso voo já tinha ido, ou de táxi e de transfer e então fomos pra fora do aeroporto já quase optando por pegar um táxi para o centro de Calama e de lá um ônibus para San Pedro de Atacama.

Foi então que dois agentes da Lincancabur nos abordaram e perguntaram se estávamos com dúvidas sobre o que fazer. Cheguei até a comentar que queríamos ficar em Calama e ver se os passeios partiriam de lá, pois vi no Booking muitos hotéis bem melhores e bem mais baratos que San Pedro.

Nota sobre Calama

Foi ai que eles disseram que não tinha passeios saindo de lá, pois os parques e regiões de passeios estavam ao sul de San Pedro e Calama estava ao Noroeste. E que eles não vinham em Calama pegar ninguém, pois os passeios sempre começam muito cedo e perder mais uma hora todos os dias para ir de San Pedro a Calama era inviável. Essa é a razão por que não havia passeios partindo de Calama

Então decidimos esperar o próximo transfer o trecho para San Pedro da própria Lincancabur pelo preço de $ 10.000 (dez mil pesos chilenos).

Desayuno no Aeroporto El Loa

Enquanto esperávamos, fomos tomar um café numa lanchonete dentro do próprio aeroporto. Tinha uma boa promoção com suco e cappuccino e aguardamos carregando os celulares até que um outro voo chegou e então fomos para San Pedro.

Transfer Calama para San Pedro do Atacama

Durante o trajeto já vi que aquilo seria algo especial, numa paisagem que não temos aqui no Brasil e é rara no mundo, pois estávamos no deserto mais árido do mundo.

Ponto alto do transfer: quase chegando em San Pedro de Atacama Isso foi demais! o motorista da Lincancabur nos presenteou com uma parada em um mirante na estrada.

Então todos pudemos tirar várias fotos das formações rochosas e ver de longe o Valle de la Luna. Sensacional.

Chegada a San Pedro do Atacama

Em San Pedro a Lincancabur, nos deixou no Hostel Millantu (não recomendo).

A cidade realmente é algo peculiar (merece um post a parte) de tão rustica que é com suas casas e muros praticamente feitos de barro.

A tarde estava programado nosso passeio para o Vale de La Luna.

Passeio pelo Valle De La Luna

Incrível como a natureza molda rochas, montanhas e climas com uma força tremenda. Tudo era resultado de seca, ventos e derretimento de gelo.

Nosso primeiro passeio foi pela Whipala que nos buscou no hostel. O guia ia sempre nos informando sobre as paisagens. Nesse dia o guia falava portunhol e inglês e não tivemos dificuldade em nos situar.

Lá fizemos alguns Hikings (caminhada curta) pelos principais pontos e pudemos tirar muitas fotos.

O lugar realmente é algo de extraordinário pela sua característica única e representa bem o nome, mesmo no final da tarde que está mais pra Marte do que pra Lua.

Vou parar de escrever e mostras as fotos:

<<<<<Inserir Fotos>>>>

Segundo Dia

Era 8:30 da manhã quando a Van da Alonso Tur passou para nos pegar no Hostel e partimos para as famosas Lagunas Altiplanicas.

Salar de Atacama

Wiki Salar de Atacama

Durante o trajeto, que é tranquilo, passamos pelo Salar de Atacama (55Km de San Pedro) que é um deserto de sal com paisagens lindas. Na entrada do parque e tem que se pagar $ 5000 (cinco mil pesos chilenos) por pessoa. Na época uns R$ 28,00.

O passeio incluiu os locais:

Salar de Atacama, Reserva Nacional los Flamenco e finalmente Lagunas Miscanti y Meñiques.

<<<< Fotos>>>>

Terceiro Dia

Geisers del Tatio

O terceiro dia foi o que tivemos que acordar mais cedo.  As 4:30 da manhã a Van do Alonzo Tur estava no Hostel e então saímos passando em mais alguns hotéis para pegar outros turistas.

Estava muito frio em San Pedro, mas nem se comparou ao frio de -5 Graus que encontramos ao chegar no local.

As 7h da manhã e a uma altitude de aproximadamente 4300 metros o frio estava intenso, mas eu quis experimentar a sensação térmica e então coloquei só uma camiseta e uma blusa simples para experimentar a sensação.

Não foi algo muito difícil de suportar, mas quando ventava, ai o vento era cortante, eu tinha que ficar atras da van e esperar a corrente de vento passar.

Depois de pagar a entrada do parque e usarmos o banheiro, descemos um pouco pela estrada (dentro da van) e chegamos no local dos Geiseres onde as montanhas já cortavam o vento mas não diminuíam o frio.

O que diminuía era ficar perto das saídas de água quente que chegavam a mais de 100 Graus Celsius.

Os guias alertaram para não colocar a mão sob nenhuma hipótese nas águas escaldantes, pois lá no meio do nada não tinha uma enfermaria para socorrer nos.

Havia uma piscina natural com uma água um pouco mais amena (40 graus célsius) que era revezada por grupo de turistas.

Como eu já tinha ido do termas de Cacheuta em Mendoza, não fiquei muito animado para entrar na água não e ficar só 20 minutos no máximo.

A experiência foi boa, após as 9 horas da manhã a temperatura já marcava 25 graus mesmo com altitude.

Então voltamos e durante o percurso de volta, fomos parando em alguns pontos para tirar fotos.

No trajeto passamos por um povoado indígena chamado Machuca e também por um ponto chamado Guatin. Neste último não paramos para tirar fotos, mas consegui registrar alguma coisa de dentro da Van.

Todo o trajeto é bom e bem sinalizado. Dá pra ir de carro.

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *